Notícia

Ilana Katz discute o uso da tecnologia na escola e na família


No primeiro encontro do ciclo Diálogos pela Educação, o Colégio recebeu a dra. Ilana Katz, que conversou sobre presença e relação entre escola e famílias quanto ao uso das tecnologias digitais


O celular, as redes sociais e os jogos eletrônicos têm se tornado onipresentes na vida de crianças e jovens. Para conversar com as famílias sobre o impacto da tecnologia na educação e nas relações entre a família e a criança, a psicóloga e pesquisadora dra. Ilana Katz esteve em Sorocaba, a convite do Colégio, para abrir o ciclo Diálogos pela Educação. 

Para assistir à conversa completa, acesse o vídeo no canal do YouTube do Colégio:

 

Referência em pesquisas sobre a infância, Ilana explicou que é preciso sempre buscar o melhor interesse das crianças e dos adolescentes, como determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), no que diz respeito ao uso da tecnologia. E essa responsabilidade deve ser compartilhada entre todas as instâncias sociais, como famílias, escolas e poder público, para regular a atuação das grandes empresas de tecnologia, por exemplo. 

Ilana Katz conversa com as famílias do Colégio Uirapuru, em Sorocaba, sobre o uso e os limites da tecnologia na educação e nas família
Ilana Katz conversa sobre o uso da tecnologia por crianças e jovens no Anfiteatro do Colégio

“A tecnologia digital nunca pode ser um fim, ela necessariamente precisa ser um meio. E um meio de acesso ao conhecimento deve alargar o mundo, ao invés de fechá-lo. O que o algoritmo faz, muito ao contrário do alargamento do mundo, é o seu estreitamento”, argumentou a pesquisadora.

Ilana destacou que os algoritmos que regem a tecnologia não permitem uma “navegação” na internet, como antes se dizia. Antes, eles apresentam às pessoas sempre mais daquilo que elas já conhecem, em que já acreditam e com o que já concordam. 

Sem espaço para questionamentos, crítica e diversidade, as pessoas é que são “navegadas”, de acordo com seu comportamento on-line. Nesse cenário, elas são levadas, sem perceber, a rodar em círculos, cavando um buraco mais profundo dentro de experiências e opiniões iguais às suas, tudo mediado por interesses financeiros, econômicos e políticos. E, no caso das crianças e dos adolescentes, isso é ainda mais preocupante.

 

Leia mais: Gamificação contra bullying e cyberbullying na escola

Como competir com o celular?

Como é possível fazer frente ao assédio da tecnologia, uma vez que ela não vai deixar de existir?

Segundo Ilana, o uso orientado deve ser o parâmetro, tanto na escola como no ambiente familiar, já que não cabe mais negar esse universo, assim como tempo para se dedicar às crianças e aos adolescentes. 

“A tecnologia digital não está no lugar da conexão humana, mas deve estar ao lado da conexão humana. Uma tela só funciona quando há um humano ao lado que te diga outra coisa, diferente do que algoritmo te diz”. 

Além do uso orientado e do diálogo constante, ela argumentou que, para “abrir concorrência ao assédio digital”, é preciso investir tempo nas relações humanas e estar presente. 

“A gente precisa ter tempo de fazer outras coisas com as crianças, compartilhar interesses, se interessar. Fazer as coisas sem o celular na mão. Isso faz diferença na experiência que todos vão ter. A partir daí, vamos apostar que essas experiências vão construir uma outra relação com esse universo [da tecnologia].”

Leia mais: 4º ano envia mensagens em Inglês de apoio à Turquia

Famílias assistem à palestra de Ilana Katz sobre tecnologia na educação, no Anfiteatro do Colégio Uirapuru

A importância dos limites no uso da tecnologia

Como essa é uma responsabilidade de todos, ela defendeu, ainda, que as famílias precisam sustentar  limites à tecnologia, tanto em relação ao tempo de uso quanto ao conteúdo acessado. Segundo a psicanalista, é preciso acompanhar de perto os sites e aplicativos que as crianças usam on-line e fazer um filtro quando for preciso.

“É muito mais fácil dizer para a escola barrar o uso da tecnologia; o difícil é dizer para a criança que ela não vai ter celular naquele momento, por exemplo. É preciso que a gente possa, juntos, sustentar a ideia de que os sujeitos têm condição de ficar insatisfeitos, e tá tudo bem.”

Ela explicou que as crianças e os jovens têm o direito de querer um celular, jogar um jogo, passar o dia no TikTok, mas precisam saber que “querer” não implica a realização desse desejo. “[Esse limite] faz parte da educação, e tela nenhuma ensina isso.”

Últimos Posts


Estudante realiza registro em seu Portfólio do Estudante.
Orientação Educacional promove autoconhecimento e habilidades socioemocionais na escola
Reconhecer emoções, características, limites, gostos e interesses próprios é uma habilidade que também são conteúdos aqui no Colégio A Orientação Educacional desenvolve práticas de...
Dra. Alessandra Borelli aborda o uso seguro e saudável da internet para crianças e adolescentes
Sorocaba, 18 de maio de 2024 — Nas duas últimas edições dos Diálogos pela Educação, o Colégio Uirapuru recebeu a advogada especializada em direito digital e segurança de crianças e...
Bebês brincam com objetos não estruturados em tanque de areia.
Nova área externa para bebês brincarem no Berçário: um espaço de aprendizado e exploração
O Colégio Uirapuru inaugurou recentemente uma nova área externa do Berçário para os bebês brincarem, criando um ambiente mais natural e estimulante para os pequenos O espaço conta agora com um...
Festa Junina 2024
Aô pessoar do Uirapuru, tá chegando o nosso arraiá! Aquelas gostosuras típicas, danças maravilhosas e muita brincadeira, estão pra começar Já se programem pra festança! Esperamos todas...

Agende uma visita e conheça mais sobre o Colégio Uirapuru. Será um prazer recebê-los!

Novos Alunos

Informações sobre matrículas no Colégio Uirapuru.

Acesse
Dúvidas e informações entre em contato com o Colégio.

App Uirapuru

Baixe o APP do Uirapuru e tenha um canal direto com o Colégio na palma da mão.

Disponível na Apple Store e Google Play

Siga o Uirapuru

Acompanhe as novidades e informações da nossa comunidade nas redes sociais.

Facebook
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga o Uirapuru


App Uirapuru

Clicando em "Aceito todos os Cookies" ou continuar a navegar no site, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a experiência e navegação no site. Consulte a Política de Privacidade para obter mais informações.

Aceito todos os Cookies